amigo poeta

Meu amigo poeta,
Não se ofenda s’eu disser
Que seu poema falhou

Ingrata tarefa foi esta
Chegar numa mesa qualquer
Sem saber que se passou

Talvez o tempo te ensine
Que para poetizar
Há que preencher condições

E condição maior não há
Que a ausência de um pedaço,
A falta de um naco,
Um verdadeiro buraco